2

Blog informativo sobre KEFIR

Pesquise e encontre AQUI, são mais de 180 postagens.

Amasi - Leite fermentado africano

Amasi: leite fermentado africano



Richard Mokua (2004)  estudante de Wisconsin de Mestrado em Alimentação e Nutrição Ciências, estudou os benefícios de um alimento tradicional de sua comunidade queniana, um leite fermentado chamado de " Amasi".  


A bebida chamou a atenção da ciência quando um pesquisador, sul-africano, chamado Richard Mokua, estudando este alimento tradicional de sua terra natal
no Quênia, descobriu propriedades medicinais fantásticas no amasi.

Amasi pronto para beber
Amasi 




Em 2004, Richard Mokua, então estudante do mestrado em Wisconsin, empreendeu uma investigação científica sobre o impacto do consumo do Amasi em crianças com diarréia
crônica. 

Ele cresceu no Quenia e tinha notado que as crianças que consumiam regularmente a bebida tinham menos frequencia de crises de diarréia crônica que as que não o consumiam. 
Seu objetivo era descobrir se havia alguma relação entre o consumo do Amasi e a baixa ocorrência de diarréia nestas crianças.
Amasi pronto para beber
Amasi 


No caso da África, alimentos fermentados são comuns e, de fato, necessária para os produtos lácteos. 
As sociedades tradicionais não tinha como refrigerar o seu leite e, normalmente, o fermentam para preservá-lo. 

Em toda a África as pessoas tradicionalmente colocam o seu leite fresco em uma cabaças, acrescentam um pouco de Amasi a partir de um lote anterior, e depois deixa o leite para fermentar.

Se você fez o seu próprio iogurte, sabe que você pode usar iogurte para fazer mais iogurte. 
Isso é essencialmente o que acontece com Amasi.


Foi essa bebida que segundo Mokua forneceu proteção às crianças contra surtos de diarreia, um benefício reconhecido de um alimento de altamente probiótico pela comunidade científica. 


Como um estudante de pós-graduação em Wisconsin, Mokua especulou que os níveis elevados de ácido láctico no Amasi estavam protegendo as crianças de doenças causadas por bactérias patogênicas?

Ele achava que o ácido láctico iria proteger o leite em si. 

O leite cru, na verdade, tem pouco de ácido láctico, mas quando é cultivado com um elevado número de bactérias de ácido láctico, a cultura protege contra o crescimento de agentes patogénicos a E. coli 0157: H7 - as bactérias muitas vezes presentes em hambúrgueres, espinafre e massa de biscoitos. 




Amasi Versus iogurte

Para seu estudo Mokua utilizou uma cultura do Amasi, leite normal e um iogurte comercial comum à venda em mercearia. 
Todos foram inoculados com a bactéria E. coli 0157:H7 .


Amasi e as bactérias E.coli
Tabela da ação das bacterias probioticas sobre as bacterias patógenas E.coli




Não seria de esperar que o leite normal matasse E. coli.  
O leite cru não iria mesmo matá-lo de forma consistente e completa. 
No entanto, o Amasi matou o patógeno e matou mais rápido do que o iogurte comercial comprado, vide contagem na tabela acima.

CONCLUSÃO:
As bactérias do ácido láctico do Amasi ajudou a proteger o próprio Amasi de uma agressão de patógenos.  Ele pode fazer o mesmo em seu intestino.


Leia o estudo completo de Richard Mokua aqui: pdf



Escherichia coli

Escherichia coli     Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.



Escherichia coli no microscópio, ampliada 10.000 vezes.
Escherichia coli no microscópio, ampliada 10.000 vezes.



Classificação científica



Reino:  Bacteria
Filo: Proteobacteria
Classe: Gammaproteobacteria
Ordem: Enterobacteriales
Família: Enterobacteriaceae
Género: Escherichia
Espécie: E. coli
Nome binomial:  Escherichia coli


Escherichia coli (pronúncia correta: /eʃe'rikja koli/; "êche-ríquia cóli"), mais conhecida pela abreviatura E. coli, se refere a gêneros diversos de bactéria bacilar Gram-negativa, anaeróbica facultativa e que não produzem esporos. 
Podem ser benéficas ou prejudiciais à saúde dependendo da espécie e quantidade no organismo. 

Pode causar sintomas de febre em humanos ou em animais.
Juntamente com o Staphylococcus aureus é a mais comum e uma das mais antigas bactérias simbiontes do homem. Foi descoberta pelo alemão-austríaco Theodor Escherich, em 1885.



Comente com o Facebook: